Boas ações

Geladeira das Frutas 'aguça' partilha e confiança entre estudantes da Unesp

Fonte : JcNet

Resultado do TCC do ex-aluno de Design Vitor Marchi Dias, o eletrodoméstico oferece opções saudáveis e também espaço para quem quer guardar algo.

Instalada no Bloco de Salas da Unesp, em Bauru, a Geladeira das Frutas oferece espaço para os alunos guardarem o que quiserem, além de diversas opções de alimentação saudável, como frutas orgânicas, saladas e lanches naturais. O dinheiro do aluguel das prateleiras e da venda das guloseimas é depositado em caixas, situadas dentro do próprio equipamento, que não possui intermediário. Até agora, não houve qualquer ação desonesta. Assim, o projeto tem atingido o objetivo de "aguçar" a partilha e a confiança entre os universitários.

A Geladeira das Frutas é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do ex-aluno de Design Vitor Marchi Moreno Dias, de 29 anos. A pesquisa, orientada pelo professor Dorival Rossi, tinha o intuito de melhorar a qualidade de vida dos frequentadores do câmpus através da oferta de um espaço compartilhado.

Segundo o designer, tal tendência já está sendo bastante utilizada por todo o mundo. Além deste princípio, Vitor também pensou nos alunos da Unesp, que, muitas vezes, passam o dia dentro da instituição. "O Restaurante Universitário não atende toda a demanda e havia gente que preferia cozinhar em casa, mas não tinha onde guardar a própria comida", justifica.

Desde o início do TCC, em 2016, a intenção não era obter lucro, mas juntar o dinheiro necessário para restituir o ex-estudante, que comprou a geladeira por R$ 5,2 mil.

Em março de 2017, o equipamento começou a funcionar no Bloco de Salas, local conhecido pela intervenção constante dos alunos de Artes, Design e Arquitetura. Já a sua conservação fica por conta dos usuários, que nunca o deixaram abandonado.

COMO FUNCIONA?

Inicialmente, a Geladeira das Frutas abrigava duas portas, sendo uma para a doação de alimentos e outra para o uso compartilhado do espaço. Neste caso, o designer cobrava R$ 2,00 por semana ou R$ 5,00 mensais. O dinheiro era depositado em uma caixa, situada dentro do equipamento. "Nunca mexeram", complementa.

Como a doação de alimentos não funcionou muito bem, Vitor optou por substituí-la pela venda de produtos saudáveis, confeccionados por alguns estudantes do câmpus, que dependem desta renda para sobreviver. Cada um deles deixa, no local, a sua respectiva caixa de coleta do dinheiro.

O consumidor, então, abre a geladeira, pega o que quer e deposita o valor. Tudo é feito na base da confiança.

Para utilizar o espaço, o vendedor também paga aluguel e o valor ainda corresponde a R$ 2,00 por semana ou R$ 5,00 mensais. O Saúde Embalada, por exemplo, comercializa saladas de verduras e frutas. Já o Mais Sabor trabalha com lanches naturais e suco de laranja engarrafado.

As frutas da estação, orgânicas e convencionais, são disponibilizadas pelo idealizador da iniciativa, que não conseguiu juntar todo o dinheiro utilizado para a compra da geladeira. "O aluguel e a venda destes itens, especificamente, existem para restituir o meu investimento", explica.

Inclusive, Vitor atualiza, semanalmente, quanto falta para quitar a dívida do eletrodoméstico, que, até agora, está em R$ 3.215,00. A expectativa é de que o débito seja pago até dezembro de 2020.

Em seguida, o equipamento continuará disponível para o uso compartilhado e a venda de alimentos. Porém, ninguém pagará aluguel. Futuramente, o designer pretende elaborar um manual, de como construir uma geladeira deste tipo e geri-la. Logo, o objetivo é expandir a proposta.


SERVIÇO

Para conhecer um pouco mais sobre o projeto, basta acessar @geladeiradasfrutas ou no Facebook.