Ação humanitária

10 Empresas que Praticam o Trabalho Voluntário

FONTE: ROSA PENIDO 

Atualmente não basta mais investir apenas em comunicação e marketing para construir uma boa reputação para as empresas.

Hoje, mais do que nunca, é fundamental que as instituições se mostrem comprometidas em causar impacto social positivo. Com o crescimento cada vez maior da consciência e engajamento dos consumidores, essa cobrança pela responsabilidade social das empresas tem sido cada vez mais frequente.

O envolvimento e a preocupação com causas sociais é também uma forma inovadora de gerar exposição de uma marca na mídia, contribuindo com o fortalecimento do relacionamento com o seu público. A principal forma de trabalhar com isso é incentivando o trabalho voluntário entre os membros da equipe e criando projetos que favoreçam mudanças sociais positivas.

Essa é uma das vertentes do que chamamos de marketing social, um método de ação mercadológica institucional que busca atenuar ou eliminar problemas sociais e carências da sociedade. As ações são variadas: algumas empresas fomentam a conexão entre as instituições e seus funcionários, enquanto que outras optam por desenvolver programas sociais próprios.

Empresas que praticam o voluntariado

Incentivar a integração de equipes e manter o engajamento em alta são outras vantagens relacionadas ao marketing social. Confira a seguir 10 empresas que praticam o trabalho voluntário de maneira inovadora!

Carrefour

A rede internacional de hipermercados criou em 2001 o programa Voluntário Carrefour, que reúne grupos de voluntários para trabalhar em parceria com organizações sociais reconhecidas.

A matriz da empresa localizada em São Paulo oferece a possibilidade de atuação voluntária em diversas ações, divididas em quatro direcionamentos: crianças, idosos, pessoas com deficiência e jovens. As ações são, respectivamente, chamadas de Brincando de Aprender, Mediador de Histórias, Aprendendo Com o Outro e Conexão Varejo.

Atualmente, são cerca de 1.260 funcionários do Carrefour engajados no programa, que trabalha com mais de 95 instituições. Os voluntários têm direito a quatro horas mensais (dentro do seu horário de expediente) para realizar o trabalho voluntário. Ao todo, já são mais de 700 organizações sociais beneficiadas desde o início do programa.

ESPM

A Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) também busca há algum tempo trabalhar o conceito de voluntariado entre jovens. Por isso, há 18 anos foi criado o projeto ESPM Social. Através dele, os alunos da faculdade têm a possibilidade de trabalhar com projetos envolvendo consultoria de marketing, comunicação e gestão para ONGs e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).

São várias linhas de ação adotadas pela ESPM Social: consultoria para ONGs de pequeno e médio porte, trabalho em comunidades de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), projetos internos de mobilização e capacitação e ações para a produção de conhecimento.

Atualmente, o projeto conta com cerca de 65 voluntários semestrais, que atuam diretamente com a gestão e condução de projetos nas entidades sociais assistidas.

Heineken

A Heineken organiza uma vez por ano o programa Heineken Cidadania, que faz parte da sua política global de sustentabilidade, intitulada “Brewing a Better Future” (Preparando Um Futuro Melhor, em tradução para o português).

O programa oferece palestras e distribui cartilhas de conscientização sobre o consumo responsável de álcool. São realizados exames de glicemia, aferição de pressão arterial e teste de HIV. Além disso, o evento também promove oficinas profissionalizantes, atividades esportivas e cortes de cabelo.

A ação já existe há 10 anos, é feita em parceria com governos e instituições sem fins lucrativos e acontece nas cidades onde há fábricas da Heineken. A empresa possui cerca de 2.300 funcionários no Brasil, e cerca de 30% deles estão engajados em atividades voluntárias como essa.

C&A

O Instituto C&A foi criado em 1991 e possui o engajamento de cerca de 8 mil funcionários da empresa, o equivalente a quase 45% do seu corpo de colaboradores. As ações acontecem durante seu horário de experiente.

Entre as ações promovidas pelo programa estão brincadeiras, contação de histórias e mobilização para arrecadação de recursos para as instituições assistidas. Em alguns casos, o Instituto C&A contribui, inclusive, com a gestão dessas organizações.

As parcerias feitas pela instituição duram pelo menos dois anos. O projeto já atendeu 110 organizações, espalhadas em mais de cem cidades pelo território brasileiro.

Nextel

A operadora de telecomunicações possui um programa de voluntariado desde 2005, através do qual promove passeios culturais para crianças de instituições parceiras nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Também são realizadas doações a comunidades carentes e mutirões de reformas em instituições necessitadas.

Mais recentemente, a empresa lançou um novo projeto, chamado de Voluntário Tutor. Através dele, seus colaboradores trocam experiências e conhecimento com os jovens do Instituto Nextel, uma ONG interna responsável pela capacitação profissional de jovens entre 16 e 24 anos em risco social.

IBM

A International Business Machines (IBM) também atua de maneira integrada com instituições sociais. Em cada país que a empresa atua há um setor específico para coordenar a área de Cidadania Corporativa, que trabalha principalmente com as áreas de educação, saúde e formação de comunidades resilientes.

A empresa está presente atualmente em 120 países. Desde 2010, contabilizou duas mil consultorias gratuitas atuando em parceria com ONGs de 70 países através do programa IBM Impact Grants. Os projetos atuam inicialmente identificando as principais deficiências ou problemas da organização, e a partir daí mobilizando os profissionais mais capacitados no assunto para auxiliar a sanar essas questões.

Ambev

Em 2018, a companhia de bebidas lançou o programa VOA, com o objetivo de selecionar ONGs para oferecer mentoria e compartilhar conhecimentos de gestão. Esse tipo de ação já era promovida pela empresa antes de o programa ser lançado, porém de maneira pontual.

O objetivo do VOA é contribuir de maneira efetiva para que as entidades aprimorem os seus processos e consigam alcançar um impacto positivo cada vez maior.

A ideia é que os colaboradores da empresa ministrem palestras de acordo com a sua especialidade, em áreas como gestão financeira, de projetos, de comunicação ou captação de recursos, por exemplo.

Ao final do curso, cada entidade participante deverá apresentar ao Comitê de Avaliação um projeto prático incluindo tudo o que fora discutido durante o ano. A ONG que alcançar a melhor avaliação final receberá um subsídio financeiro para colocar o seu projeto em prática.

Pedigree

Uma das maiores empresas mundiais do ramo alimentício de animais de estimação, a Pedigree também mostra preocupação e responsabilidade social ao se envolver com alguns programas de voluntariado.

É o caso da parceria feita com a Associação das Mulheres Protetoras dos Animais Rejeitados e Abandonados (AMPARA Animal). Com o apoio da empresa e através do seu projeto Adotar É Tudo de Bom, a instituição entrega por mês mais de 20 toneladas de ração para cachorros e gatos para os protetores cadastrados nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.

Além disso, parte do lucro obtido com as vendas dos produtos Pedigree é revertido para o programa Adotar é Tudo de Bom, que cuida de milhares de cães resgatados por mais de 150 ONGs e protetores de todo o Brasil. O projeto já existe há 7 anos e é responsável por mobilizar centenas de voluntários anualmente.

Ypê

Desde 2007 a Ypê atua por meio do projeto Florestas Ypê, uma parceria estabelecida com a Fundação SOS Mata Atlântica. Essa ação faz parte do programa Florestas do Futuro e tem grande importância social, uma vez que gera muitos empregos diretos e ajuda a beneficiar a comunidade local.

A cada ano são plantadas milhares de espécies nativas da Mata Atlântica nas regiões das cidades de Campinas e Itu, no interior de São Paulo, em Áreas de Preservação Permanente (APPs). Até o final de 2017, o projeto já havia alcançado a marca de 650 mil árvores plantadas com a ajuda de seus voluntários.

Ericsson

O programa Jovem Parceiro foi criado há 15 anos. Por meio desse projeto, os funcionários da Ericsson ministram aulas virtuais a estudantes de uma comunidade da floresta amazônica.

Cerca de 15 voluntários transmitem seus conhecimentos via chamadas de Skype a um grupo de 150 crianças. As aulas acontecem uma vez por semana, e através delas os estudantes aprendem a usar diversos tipos de ferramentas virtuais atuais, como o Google Maps, por exemplo.

Como pudemos conferir nesse artigo, há diversas formas de pôr o voluntariado em prática em uma empresa, adaptando-o ao seu perfil e às competências da sua equipe. Unindo seu time a instituições locais é possível criar um impacto positivo, mesmo que inicialmente apenas de maneira local.