Mundo

Itália dará cidadania a crianças estrangeiras sequestradas por migrante

FONTE: DC 

Todos os estudantes estrangeiros que estavam no ônibus sequestrado na semana passada em Milão receberão a cidadania italiana, anunciou o ministro do Interior, Matteo Salvini, nesta quarta-feira.

Em 20 de março, um motorista italiano de origem senegalesa que queria protestar contra a morte de migrantes afogados no Mediterrâneo sequestrou cerca de cinquenta crianças dentro do ônibus escolar e tentou queimá-las vivas. A polícia, contudo, conseguiu salvar os adolescentes.

A tragédia evitada gerou reações contratastadas. Enquanto alguns pediram para que a nacionalidade italiana dada ao motorista fosse cassada, outros sugeriram que ela fosse concedida às duas crianças tratadas "heróis": Ramy, egípcio de 14 anos, e Adam, marroquino de 13 anos.

Ambos nasceram na Itália, onde não há direito à nacionalidade porque nasceram em seu território e devem esperar até que atinjam a maioridade para solicitar a naturalização.

Uma exceção seria que eles se beneficiassem de um decreto presidencial por "méritos especiais", algo que acontece muito raramente.

A questão dividiu os dois ministros mais importantes do governo, Salvini e seu aliado, Luigi Di Maio, ministro do Trabalho e líder do movimento 5 Estrelas (antissistema).

"Por enquanto, as leis que temos não são alteradas", disse Salvini, que inicialmente exigiu que o registro judicial de toda a família Ramy fosse estudado para lhe conceder cidadania.

No entanto, o ministro direitista cedeu à pressão popular e convidou Ramy e Adam para o ministério na quarta-feira, bem como as outras crianças estrangeiras que estavam no ônibus, que receberão a cidadania.

Segundo os últimos dados oficiais do Instituto Italiano de Estatística, a Itália nacionalizou cerca de 146 mil pessoas em 2017, mais do que qualquer outro país da União Europeia, incluindo cerca de 54 mil adultos nascidos e criados na península.

A Itália também enfrenta a pior crise devido à falta de crescimento da população, os estrangeiros legais representam 8,5% da população de cerca de 60 milhões de habitantes.