Fonte: Agência Brasília - Foto de William Fortunato no Pexels

Equipes técnicas percorrem as cidades orientando sobre cuidados básicos para evitar doenças. Confira como é a entrada no sistema de saúde distrital

A primeira consulta da pequena Marcella foi no conforto de casa, no Setor O, em Ceilândia. Se pudesse falar, a bebê talvez tivesse agradecido. Em uma tarde com temperatura bastante elevada, a recém-nascida de apenas 12 dias recebeu a visita da equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF) no colo da mãe, a dona de casa Tamires Silveira Carvalho, de 31 anos, sob o olhar orgulhoso do pai, Leandro, de 29. E tudo com a anuência de Bingo, o cachorrinho da família.

No apartamento, localizado na Área Especial da QNO 12, Marcella foi examinada com carinho pela doutora Areda de Paula Almeida Leitão. A médica da família auscultou os pulmões, conferiu os reflexos, avaliou o umbigo e conferiu os exames pelos quais a criança passou ao nascer, em uma maternidade particular no Hospital São Francisco, em Ceilândia.

Ao mesmo tempo, os demais integrantes da equipe orientavam os pais sobre os cuidados básicos com a recém-nascida, esclarecendo as dúvidas e reiterando a importância da limpeza e higiene. Eles também entregaram à mãe o Cartão de Vacinas e o Cartão de Consultas da menina. O próximo atendimento, já na Unidade Básica de Saúde (UBS) 07, na QNO 10, já está marcado para 1º de abril, às 11h.

Acolhimento, a marca maior

“Tenho muita confiança nos profissionais; eles são muito atenciosos, e tudo é feito com muito carinho”, avalia Tamires. Leandro endossa: “É uma grande comodidade poder ser atendido em casa, com tranquilidade. Isso mostra o acolhimento que é feito com a população que reside nessa área do posto”.

A ESF é isso: acolhimento, confiança, cuidado, carinho e respeito. É assim que profissionais de saúde do Distrito Federal estão entrando nas casas para prestar a assistência primária às famílias e ajudando a descomprimir os hospitais. Dados da Secretaria de Saúde (SES) indicam que a Atenção Primária resolve 85% das demandas de saúde que entram diariamente nas UBSs.

“A Atenção Primária resolve grande parte dos problemas dos pacientes; e, quando não podemos resolver a demanda, fazemos o encaminhamento para a área especializada”
Mara Olímpia Machado, enfermeira da Equipe Verde da ESF

Cada grupo de 3.450 pessoas é atendido sempre pela mesma equipe, formada por um médico de família, um enfermeiro de família, até dois técnicos de enfermagem e um agente comunitário de saúde. São esses profissionais que visitam os pacientes em suas residências, verificam o estado de saúde deles e, quando preciso, fazem os encaminhamentos às UBSs. Eles ajudam, assim, a manter a qualidade de saúde da população, ao mesmo tempo que propiciam a liberação de mais vagas nos hospitais.

A ESF é diferencial na comunidade do Setor O, avalia a enfermeira Mara Olímpia Machado, que integra a Equipe Verde na instituição. Formada por uma médica de família, uma enfermeira, três técnicos de enfermagem e dois agentes comunitários de saúde, a equipe é responsável pelo primeiro atendimento do recém-nascido e pela primeira consulta de pré-natal.

“Ao conhecermos melhor a comunidade, conseguimos criar um vínculo com as pessoas e atendê-las melhor”, explica Mara. “A Atenção Primária resolve grande parte dos problemas dos pacientes; e, quando não podemos resolver a demanda, fazemos o encaminhamento para a área especializada.”

As consultas
Na mesma tarde em que fez a primeira consulta da recém-nascida Marcela, na QNO 12, a Equipe Verde esteve na casa Inês Maria Santos, na QNO 05. A vendedora autônoma, de 28 anos, correu para se consultar na UBS 07, ao ver o resultado positivo no teste de gravidez a que se submeteu em uma farmácia. A primeira consulta foi marcada e realizada na própria residência da paciente.

“Facilitou para mim”, contou Inês, mãe de Jheniffer Lorrany, de 8 anos. “Hoje o sol está muito quente e leva uns 20 minutos para andar até o posto. Tem dia que é a chuva. Foi muito bom a equipe ter vindo aqui.”

Na casa de Inês, a equipe fez o teste rápido de HIV e sífilis e já forneceu os resultados na hora. Depois foi a vez do Mãezinha, que é um conjunto de exames. A equipe também mediu a pressão arterial, calculou a idade gestacional e entregou o Cartão Pré-Natal, com a próxima consulta de Inês já agendada para 1º de abril, às 14h.

Cobertura
A Estratégia Saúde da Família cobre 65% da população do DF. Segundo o Plano Distrital de Saúde de 2021, o atendimento deve chegar a 75% de cobertura ainda este ano.

“Vamos fortalecer ainda mais a Atenção Primária, chegando aos mais vulneráveis”
Fernando Erick, coordenador de Atenção Primária da SES

“Nossa meta é alcançar 100% de cobertura”, destaca o coordenador de Atenção Primária da SES, Fernando Erick. “Queremos expandir em quantidade de força de trabalho e na qualificação dos processos, para chegar mais perto da população e levar os serviços para dentro das casas.”

O DF tem 170 UBSs, cada uma com pelo menos uma equipe de ESF. Elas são as portas de entrada para o sistema de saúde. Para que a Atenção Primária chegue de forma eficiente a todo o DF, a ESF percorre um caminho de desafios, que inclui a contratação de profissionais, capacitação de servidores e entrega de UBSs, principalmente em regiões mais vulneráveis, como as unidades de Samambaia e Recanto das Emas, recém-inauguradas.

170 Número de unidades básicas de saúde (UBSs) do DF

Obstáculo é palavra que não existe para Fernando Erick. Ele se entusiasma com uma das próximas conquistas – a lotação de uma médica de família e comunidade no Núcleo Rural Rio Preto, em Planaltina. “Vamos fortalecer ainda mais a Atenção Primária, chegando aos mais vulneráveis, como em Rio Preto, que é um território rural distante de todos os equipamentos de saúde de Planaltina”, enfatiza o gestor.