Fonte : Governo de Goiás 
Imagem : Divulgação

São 15 meses sem roubo a bancos ou caixa eletrônicos no Estado. “Nós estamos chegando a índices inimagináveis”, comemora governador

O balanço semestral da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) mostra que Goiás segue avançando no combate à violência. Todos os índices de criminalidade continuam caindo no Estado. Desde o início da gestão do governador Ronaldo Caiado os roubos a instituições financeiras vem sendo duramente combatidos.

Há 15 meses nenhum roubo a banco ou caixa eletrônico foi registrado. A última ocorrência foi em abril de 2019. O resultado reflete o trabalho baseado na integração, inteligência e integridade desenvolvido pela segurança pública em Goiás, que vem adquirindo expertise no combate a essa modalidade criminosa.

“Nós estamos chegando a índices inimagináveis no Estado. A cada mês, estamos superando mais. Não daremos espaço para a criminalidade em Goiás”, com essas palavras o governador exaltou o combate diário e continuado das forças de segurança goianas. À frente da SSP-GO, o secretário Rodney Miranda destacou que o combate à violência, ao crime organizado e à corrupção são políticas do Estado, que atendem às determinações de Caiado. “São números do Governo do Estado, capitaneado pelo governador Ronaldo Caiado. É uma determinação expressa do governador que sigamos esta linha”, ressaltou.

Mesmo durante a pandemia do novo coronavírus as forças policiais mantiveram o ritmo de trabalho, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária, a fim de preservar os profissionais. “Continuamos na mesma marcha pré-covid. Nossos profissionais não arredaram um milímetro no combate à violência no Estado de Goiás”, observou o secretário.

Na comparação entre os primeiros seis meses deste ano com igual período do ano passado, a segurança pública alcançou índices importantes, com redução em todas as modalidades de roubo, com destaque para roubo de veículos (38,29%), seguido de roubo de carga (34,95%), a pedestres (29,13%) e a residências (19,58%). Os registros de furto também apresentaram queda: 24,39% de veículos, 3,58% a comércios, 24,05% a pedestres e 23,59% a residências.

Ações integradas
O delegado Antônio de Podestá, do Grupo Antirroubo a Bancos do Estado de Goiás (GAB) da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic) afirmou que a equipe vem realizando um trabalho preventivo no Estado. “Estamos monitorando indivíduos envolvidos em crimes de roubos a instituições financeiras em outros Estados ou que já realizaram tal tipo de crime no passado, bem como realizando o rastreamento de armas de fogo de grosso calibre e explosivos que porventura possam ser utilizados nessas ações”, explicou.

De acordo com o delegado, os crimes de furto a instituições financeiras também estão sendo veementemente reprimidos por meio de ações conjuntas entre a Polícia Civil (PCGO) e a Polícia Militar (PMGO), culminando na prisão dos envolvidos. “As forças de segurança de Goiás têm atuado em conjunto no compartilhamento de informações e em ações para impedir a realização desses crimes, se antecipando às práticas criminosas, o que possibilitou a extinção desses violentos crimes no Estado”, concluiu.

No comando do Batalhão de Operações Especiais da PM (Bope), o major Marcelo Veloso corroborou a importância das ações integradas realizadas pelas forças de segurança e salientou que esta é uma linha de comando do secretário Rodney Miranda e do próprio governador Ronaldo Caiado. “Essa integração é muito importante, ela é salutar porque a gente une forças. Isso acaba trazendo um resultado muito positivo, que são os baixos índices de roubo dessa modalidade criminosa aqui no Estado”, destacou.

Uma das ações conjuntas bem sucedidas, realizada em janeiro deste ano, resultou na prisão de um dos assaltantes mais procurados do Brasil, suspeito de roubar bancos e carros-fortes, que estava foragido há 12 anos e que foi detido em Salvador, na Bahia. A operação foi iniciada pela Secretaria de Operações Integradas (Seopi), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que solicitou apoio do serviço de inteligência da PMGO. A Polícia Militar da Bahia, a Polícia Militar do Distrito Federal e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) também participaram da ação.

Em fevereiro, três suspeitos foram mortos, cinco presos, armas e explosivos apreendidos em resultado de uma ação conjunta entre as polícias Civil e Militar que impediu a explosão de caixas eletrônicos da agência do Banco do Brasil em Buriti Alegre. A quadrilha, que já vinha sendo monitorada por equipes do GAB-Deic da PCGO e da Rotam, foi flagrada logo após quebrar os vidros da agência do Banco do Brasil e instalar os explosivos em um dos caixas eletrônicos. A operação dos agentes goianos ficou conhecida nacionalmente.

No mesmo mês, a Polícia Civil, também por meio do GAB e do Grupo Tático (GT3) prendeu no município de Águas Lindas de Goiás, região do Entorno do Distrito Federal, um homem de 40 anos, considerado um dos maiores assaltantes a bancos do Estado da Bahia. O investigado possui condenação por roubo a bancos na modalidade “novo cangaço” e era investigado em Goiás pelo envolvimento em roubos de carros-forte, furto e roubo a caixas eletrônicos. Em Águas Lindas há três anos, utilizava um nome falso para tentar evitar a sua prisão.

No mês de março, outra ação do GAB-Deic e da PMGO, por meio do Comando de Operações e Divisas (COD), desarticulou uma associação criminosa suspeita de planejar roubos contra instituições financeiras e empresários na cidade de São Miguel do Araguaia. A operação foi concluída após compartilhamento de informações entre as polícias de Goiás, a Superintendência de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) e a Polícia Federal da Bahia, resultando na captura de quatro indivíduos, dos quais três já possuíam passagem pela polícia e utilizavam tornozeleiras eletrônicas. Após a continuação das investigações, foram localizados e presos outros dois suspeitos que davam apoio a crimes que ainda seriam cometidos. Ao todo, foram apreendidos duas motocicletas, um carro e duas armas de fogo.

No município de Crixás, região Noroeste do Estado, policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope), agentes do G.T.3 e do GAB-Deic, impediram o roubo a caixa eletrônico e a um banco no mês de abril. O grupo, que já era investigado pela polícia e foi perseguido após explodir o caixa eletrônico e de tentar arrombar uma agência bancária. Eles não conseguiram levar o dinheiro. Os policiais apreenderam quatro armas de fogo, ferramentas usadas em arrombamentos e explosivos.