Fonte: Só Notícia Boa - Imagem : Nevada.Halbert 1L4A7899.jpg via photopin (license)

A Nova Zelândia dá exemplo outra vez. O país prevenido, que correu para comprar vacinas contra a Covid-19 e receber primeiro, agora anunciou que terá mais do que precisa e vai doar as doses excedentes a países necessitados.

No auge da primeira onda da pandemia, a primeira-ministra Jacinda Ardern chegou a fechar quatro acordos de pré-compra, para que a população tivesse acesso logo à primeira vacina que fosse aprovada. O governo dela comprou:

-750.000 doses da Pfizer/BioNTech
-5 milhões de doses da Janssen
-3,8 milhões de doses da Universidade de Oxford/AstraZeneca
-5,36 milhões de doses da Novavax

Com apenas 5 milhões de habitantes, a Nova Zelândia já tinha comprado antecipadamente 7,6 milhões de doses da AstraZeneca (suficientes para 3,8 milhões de pessoas, já que exige duas doses) e 10,72 milhões de doses da Novavax (suficientes para 5,36 milhões de pessoas).

Beneficiados
Caso seja provado que as vacinas são seguras e eficazes pelo regulador farmacêutico neozelandês Medsafe, depois de usadas na vacinação nacional, o que sobrar será doado aos países vizinhos do Pacífico.

O governo neozelandês anunciou que fornecerá doses gratuitas às nações Tokelau, Ilhas Cook, Niue, Samoa, Tonga e Tuvalu, caso os governos aceitem.