Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo 
Por: Comunicação Social TJSP – CA (texto) / LF (arte)

Parceria do Governo e TJSP prioriza atendimento de vítimas.

O aplicativo SOS Mulher, criado pelo Governo do Estado, possibilita que mulheres com medidas protetivas concedidas pelo Tribunal da Justiça de São Paulo possam pedir socorro quando estiverem em situação de risco. Por ele, as vítimas solicitam ajuda apertando apenas um botão no celular. A viatura da Polícia Militar mais próxima é enviada rapidamente para o local onde foi emitido o sinal, em georreferenciamento.

Imagem: Pexels
Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo 

Pesquisadoras ocupam 50% do corpo de pesquisadores científicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), que coordena os seis Institutos de pesquisa paulista da área. Há mulheres na liderança de três deles. Os números constam em levantamento realizado para lembrar o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, comemorado em 11 de fevereiro.

 

Fonte: Drauzio Varella
Por: Mariana Varella

A covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), em geral causa sintomas leves nas pessoas com menos de 60 anos. No entanto, para os mais velhos, a infecção pode ser grave e até levar à morte.

Por isso, é importante proteger os idosos, as pessoas com doenças crônicas como diabetes e hipertensão e as que estejam com a imunidade comprometida, como pacientes em tratamento oncológico ou que convivem com HIV.

Imagem: Pixabay
Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo 
Por: Comunicação Social TJSP – DM

A 2ª Vara da Comarca de Barra Bonita, condenou uma casa de shows a indenizar por danos morais transexual que foi impedida de entrar no estabelecimento. A reparação foi fixada em R$ 4 mil.

A requerente alega que foi ao local com algumas amigas e que foi impedida de entrar pelo funcionário da casa de shows. Ele disse, na presença de todos que ali estavam, que ela “não passava de um homem vestido de mulher” e que não poderia entrar por não estar com trajes adequados, ou seja, roupas masculinas.

Imagem: Pixabay
Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo
Por: Comunicação Social TJSP

A 5ª Vara Cível da Comarca de Santos condenou réu que proferiu insultos a respeito do caráter e da condição social de pessoas pardas a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 10 mil ao Fundo de Reparação de Interesses Difusos Lesados, valor que será revertido especificamente para programas de combate ao racismo indicados pela Fundação dos Palmares. O conteúdo foi gravado no WhatsApp e “viralizou” após mais de um ano.

Subcategorias